01/07/2017

Jornalismo de qualidade em pauta no 12º Congresso da Abraji

Em três dias intensos, jornalistas, estudantes e especialistas brasileiros e de vários outros países trocaram experiências sobre fontes, acesso a dados, matérias especiais e bastidores de reportagens investigativas

Foto: Alice Vergueiro.
Por Milena Buarque

No 12º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo, cerca de 70 painéis, com mais de 150 palestrantes, trataram dos mais variados temas: de jornalismo de dados à cobertura de crises humanitárias, passando por gênero no jornalismo, whistleblowing, técnicas de investigação de empresas, entre outros assuntos.
Com 977 participantes – 10% a mais do que a edição anterior –, o congresso trouxe profissionais, pesquisadores e especialistas do Brasil e do mundo para falar sobre os assuntos mais importantes e complexos veiculados na mídia.

O turbulento cenário político brasileiro foi destaque nas mesas “Não renunciarei!’: o furo da delação da JBS”, que tratou dos bastidores de um dos maiores furos jornalísticos de 2017, “Sessão especial: Desafios no combate à corrupção: a operação Lava Jato”, que trouxe o Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, para falar sobre o desenrolar da operação, suas repercussões e as perspectivas para o combate à corrupção.

O time do site americano de notícias Vox.com esteve nesta 12ª edição do evento para falar sobre o conteúdo visual do portal que vem sendo responsável por aumentar a audiência -- e o lucro -- no meio digital. “Spotlight brasileiro: o Grupo de Investigação RBS” trouxe a equipe multiplataforma do Grupo de Investigação RBS (zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/gdi/).

Diversas oficinas contribuíram para aperfeiçoar o trabalho dos repórteres em temas como finanças e acesso a dados públicos, uso de redes sociais, fact-checking e técnicas para reportagens de fôlego. A tradicional mesa “Ooooops! O que grandes jornalistas aprenderam com erros” trouxe jornalistas experientes para falar sobre seus erros e deslizes em coberturas, facetas tão presentes na profissão e que precisam ser debatidos.

O repórter gaúcho Carlos Wagner (ex-Zero Hora) foi o homenageado desta edição, em sessão solene realizada no dia 29 de junho. A quarta edição do Prêmio Abraji de Contribuição ao Jornalismo foi concedida ao Projeto Repórter do Futuro, curso de complementação universitária voltado para estudantes de jornalismo que nasceu em 1994, criado pelo jornalista Sergio Gomes, que recebeu a homenagem junto com a equipe de coordenação e parceiros do projeto.

A sessão de encerramento do 12º Congresso teve o editor-chefe do Washington Post, o jornalista Martin Baron, que coordenou a equipe “Spotlight” do Boston Globe, reconhecida e premiada pela investigação jornalística inédita sobre casos de abusos de menores por religiosos católicos nos Estados Unidos.

“Nós saímos com a vontade de ser jornalista, de fazer boas matérias e fazer melhor. Eu vivi isso pela primeira vez há 10 anos, em um congresso como este, e tive a certeza de que queria ser jornalista mesmo”, disse Thiago Herdy, presidente da Abraji.

O 12º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo é uma realização da Abraji e da Universidade Anhembi Morumbi com o patrocínio de Google News Lab, Grupo Globo, Facebook Journalism Project, Mcdonald's, Estadão, Folha de S.Paulo, Gol, Itaú, Nexo Jornal, Twitter e UOL, e apoio da ABERT, ANJ, ANER, Comunique-se, BuzzFeed, Consulado dos Estados Unidos, ETCO, FAAP, Fórum de Direito de Acesso a Informações Públicas, Revista Piauí, Jornalistas & Cia., Knight Center for Journalism in the Americas, OBORÉ Projetos Especiais, Portal Imprensa, Textual e UNESCO. Desde sua 5ª edição, a cobertura oficial é realizada por estudantes do Repórter do Futuro, sob a orientação de coordenadores do Projeto e diretores da Abraji.

Nenhum comentário:

Postar um comentário